Atualização de Patrimônio - Outubro 2020: R$ 130.822,19 (+3,52%)

 


Salve, salve rapeize!

Como vocês estão? Por aqui tudo tranquilo como sempre, o interior tem dessas. Felizmente esse ano a pandemia trouxe algumas mudanças boas, entre elas a proibição de várias atividades extremamente chatas relacionadas às campanhas políticas. Eleição para prefeito é sempre muito conturbada e os caras agem como se fossem donos da cidade: o trânsito fica uma merda, é carro com som nas alturas tocando as mesmas duas músicas, o povo se aglomerando nas ruas para ganhar uns trocados ou umas cervejas, atrapalhando o vai-e-vem corriqueiro de nós, pobres sofredores.

Acontece que este ano as coisas estão um pouco mais comportadas, e isso é muito agradável. Aqui na cidade onde moro passei os últimos 3 anos falando mal do prefeito, porém agora que as eleições se aproximam, aparentemente terei que votar no dito cujo pois o candidato concorrente representa aquela velha política e tem velhos nomes por trás apoiando. É votar no menos pior! Aparentemente a esquerda vai voltar com tudo nessas eleições, reassumindo muitos municípios perdidos.

Parando para analisar, pelo menos aqui no Nordeste, não temos candidatos de direita, e esse é o grande problema. Para ser de direita o cara tem que estudar, entender o mínimo de economia e história. O que aconteceu foi que nas últimas eleições municipais houveram muitos votos de protesto contra as famílias que historicamente dominam o cenário político dos estados. É como se cada estado tivesse seus donos. Esses caras colocavam seus parceiros como prefeitos e assim o ciclo se fecha. Vários candidatos levaram diversas prefeituras numa tentativa do povo em quebrar essa oligarquia, porém a minha percepção é que nenhum deles fez um bom trabalho. Com isso as pessoas vão acabar votando novamente nos velhos nomes ou naqueles que os representam.

E falando em eleição, temos a suposta derrota do excelentíssimo senhor Donald Trump lá nos Estados Unidos. A derrubada deste homem representa o fim do establishment como o conhecemos e o começo de uma nova ordem mundial pautada na ideologia comunista. seremos escravos do politicamente correto, demonizados por expor nossa própria opinião, fadados a uma vida atrelada ao grande plano diretor dos governantes.

E quer saber? Eu não estou nem aí para isso. A verdade é que se houver uma possível expansão das ditaduras comunistas, uma "ocidentalização" das formas de governo existentes em países como China e Rússia, cara, quem mais perde (infelizmente) são exatamente as minorias que tanto defendem esse regime assassino. São os homossexuais que vestem a camisa de Che Guevara, confesso homofóbico. São as feministas que se calam diante da forma como os governos teocráticos do Islã tratam as mulheres. São os pobres que hoje tem internet, celular, sabem ler e escrever, compram uma moto financiada em 200x mas chamam o Bolsonaro de genocida e acham que a China é boazinha, sem saber como é a sobrevivência dos pobres por lá.


Eu acho que a coisa só fica ruim mesmo quando é um caso como o da Venezuela, o mesmo de Cuba. Quando o país se fecha e a economia começa a definhar, levando as pessoas consigo. Mas mesmo nesse caso, existe a opção de deixar o país, de colocar nosso patrimônio em algum outro lugar. Essa "segunda onda" - se tomarmos como padrão o modelo atual da China - entendeu que é melhor deixar sua população trabalhar, fazer seu dinheiro, viajar, torrar sua grana com prostitutas e videogames. Investir em tecnologia, criar coisas, produzir. Isso é muito diferente da Cuba que possui sua frota de automóveis do século passado.

A grande questão aqui é muito parecida como o que aconteceu durante o governo militar aqui no Brasil. Para quem ia de casa para o trabalho, do trabalho para casa, não tava nem aí se quem estava no poder era um militar ou não. E agora na minha vida de adulto, é justamente isso que eu faço (adicione aí a igreja e uma caminhada na praça). Não que isso seja o ideal de uma vida em sociedade, que eu queira ou goste disso, uma ditadura, viver como um rato. O que eu quero dizer é que a grande massa das pessoas  vivem como porcos, gostam de estar na lama. Ela não sabe o que fazer com o seu dinheiro, com sua liberdade. O grosso das pessoas é aquilo que sempre falamos aqui na blogosfera, é o bonobo que vive endividado, que não tem respeito pela família, é o cara que admira as pessoas erradas, que tem ideais errados. E defender a forma de governo errado é só uma consequência disso aí. Assim como eu não espero que as pessoas sejam bem-resolvidas financeiramente - com reserva de emergência, investimentos, etc. - e nem em termos de saúde - com boa alimentação, exercícios físicos rotineiros, etc. - também não espero que votem na pessoa certa, ou defendam uma política correta. Seria muita inocência de minha parte.

Então, assim como eu me viro bem em um mundo que quer apenas sugar meu dinheiro e minha saúde, eu vou me sair bem num mundo onde a política é uma merda. É só mais uma variável à equação. E o resto que se foda, bonobo é pra se foder mesmo.

Patrimônio

Mesmo sobe e desce de sempre. Vamos aos números:


Dividendos recebidos em outubro: R$ 216,00

Esse CDB vence esse mês. Gostaria de investir esses 20k, só não sei onde. Alguma sugestão?

É isso guys, peço desculpas pela demora na atualização. Estou desleixado com o blog e as leituras aqui na blogosfera, e não gosto disso. Vou consertar isso.

Falei alguma besteira sobre Trump e a China? Concorda ou discorda de algo? Escreve aí nos comentários.

Forte abraço!

Jhonny

Comentários

  1. Fala, Johny!

    Cara, não concordo quando você diz que só em casos muito extremos (como uma Venezuela da vida) é que a influência da política na vida das pessoas "normais" fica mais evidente. Qualquer imbecil que vencer uma eleição para prefeito/governador/presidente pode, sim, foder muito bem as nossas vidas, para isso basta ele manter as coisas como estão, pois eu já considero que estamos bem fodidos.

    Algum imbecil esquerdista pode acabar com um Uber, um iFood, um Quintoandar, por exemplo, e isso por si só já teria um impacto forte na vida de muita gente "normal". Ou, então, o animal pode inchar ainda mais a porra do estado, aumentando impostos, encarecendo ainda mais o custo de vida, ou mesmo engessar ainda mais as leis trabalhistas, o que inevitavelmente culmina em maior desemprego.

    Enfim, os exemplos são muitos, mas acho que a política impacta de maneira violenta em nossas vidas, mesmo que pareça que não.

    Quanto ao seu CDB que irá vencer, eu te recomendo pegar essa grana e mandar para os EUA. Investir lá fora acho que não é nem opção, é uma necessidade que temos, para tentarmos nos proteger do caos brasileiro.

    Abraço!
    https://engenheirotardio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, meu caro! Como estão as coisas com você?

      Entendi seu ponto de vista, porém você traz a coisa e mandeira mais generalizada, e não foi isso que eu quis dizer. É claro que com uma canetada um político ou juiz pode mudar a vida de muita gente pra pior, disso não duvido. Porém em relação à MINHA vida como indivíduo, eu acredito que darei um jeito de me adaptar e não ter uma vida miserável. Acredito que as coisas não estão ruins como, digamos, um holocausto ou coisa do tipo.

      O Leandro do clube dos poupadores é um dos caras que mais admiro no mundo das finanças, veja o que ele escreve nesse posto aqui: https://clubedospoupadores.com/internacional/democratas-republicanos.html

      Ele tem uma visão puramente liberal, de que tanto faz o político, no final tudo que a política faz é atrapalhar nossa vida. No entanto eu tenho um tom mais conservador, acho que a depender do governo os bons costumes serão perdidos e com isso a vida das pessoas (a massa) fica pior. Então eu prefiro 1000x um Trump a um Biden. No entanto, independente disso, eu continuarei mantendo os bons costumes e tendo uma vida feliz.

      Valeu!

      Excluir
  2. Achei que foi muito bem nos pontos que abordou Jhonny. Você é bem sensato na minha opinião.

    Em relação a esquerda estar retomando o poder no mundo depois de 5 anos de "Indireitação" é realmente um fenômeno estranho. Argentina aconteceu isso, bolivia e agora EUA! Será o Brasil a próxima vitíma? vou ficar bem veiaco em 2022 na hora de alocar meus investimentos! Não acho que vou dolarizar ou coisa do tipo. Mas provavelmente comprar bens "Intangiveis" como Terra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Ultimamente também penso muito nessa questão da terra, Peão! Eu posicionado em FIIs mas comecei refletir sobre a possibilidade em investir em imóveis eu mesmo, sei lá tipo construir quitinetes para aluguel (minha mãe tem um ponto comercial alugado, dava para levantar um primeiro andar e alugar também). Porém meu know how é muito fraco, e isso me deixa na defensiva.

      Excluir
  3. O maior impacto que a gente vai sentir com o novo establishment é, certamente, a tal da ditadura do pensamento. Seu principal expoente é a cultura do cancelamento, pois basta uma opinião ou atitude, muitas vezes distorcida ou mal interpretada; sua reputação, carreira profissional, sua vida pode ser destruída por pessoas pagando de "politicamente corretas". Tudo é assédio, tudo é racismo, tudo é homofobia, tudo é preconceito. Isso já é muito comum nos EUA/Europa Ocidental e está chegando com força aqui no Brasil. Eu penso que a própria tranquilidade financeira vai permitir que a gente não se preocupe tanto com isso, mas nunca podemos deixar de nos preocupar com o que o mundo está se tornando...

    https://umpobrelascado.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas